TJD vai decidir onde será a final do Campeonato Maranhense de 2017

Resultado de imagem para fotodo estádio leandrão em barra do corda

Após o primeiro jogo da decisão do Campeonato Maranhense de 2017,  ser realizada em São Luís, no Castelão, onde o Sampaio Corrêa venceu o Cordino de Barra do Corda por 2a1, e desta forma, reverteu a vantagem para a final (com local em discussão). E é justamente esse último jogo, que nós gostaríamos de aborda aqui, pois a FMF marcou para a cidade de Imperatriz no próximo dia 22, mas o TJD é quem vai decidir o local.

Isto, porque os dirigentes do Cordino e o prefeito Eric Costa de Barra  do Corda, não conseguiram resolver a situação de desconformidade técnica do estádio Leandrão, após os prazos dados – não houve evolução satisfatória.

Em outra oportunidade, o titular do Blog já havia manifestado opinião sobre o tema em epígrafe “a situação do estádio de Barra do Corda”, e posso falar de cátedra porque conheço bem o local, e naquela praça narrei diversos jogos (para a imprensa sempre foi deficiente, isso no aspecto de visibilidade, pois sempre um poste a frente nos atrapalhava, cabines sem conforto, além de um espaço que sempre precisamos dividir com quem não é da área).

Todos sabem que o gramado não é bom, não tem iluminação, os vestiários do árbitros, recebem muitas críticas dos apitadores pela falta de espaço, conforto e segurança – isso há algum tempo é reclamado…

É óbvio, que nunca o Cordino havia chegado a uma decisão de estadual, e aqui entendo e defendo primeiro a integridade física de todos os envolvidos com o futebol, inclusive, nós da imprensa – e nesse aspecto, jamais devemos fazer vistas grossas a Legislação Brasileira que versa sobre a segurança nos estádios de futebol, haja vista as tragédias que aconteceram no Rio de Janeiro, Bahia, Pará e outros estados que tiveram acidentes graves. Não queremos ver o sinistro, absolutamente!

Abaixo um pouco do que diz, sobre a capacidade de público em estádios – as Normas Gerais da CBF e o Estatuto do Torcedor:

Art. 7º – Compete ao clube detentor do mando de campo: I – adotar todas as medidas técnicas e administrativas, no âmbito local, necessárias e indispensáveis à logística e à segurança das partidas, inclusive as previstas na Lei nº 10.671/03, em seus arts. 136 , 14 e seu § 1º7 , 188 , 20 e seus §§ 1º a 5º9 , 2110, 22 e seus 6 Estatuto de Defesa do Torcedor Art. 13 – O torcedor tem direito a segurança nos locais onde são realizados os eventos esportivos antes, durante e após a realização das partidas. Parágrafo único. Será assegurada acessibilidade ao torcedor portador de deficiência ou com mobilidade reduzida.

XII – encaminhar à sua federação, em prazo não inferior a trinta e cinco (35) dias do início das competições, os laudos técnicos do estádio em que for atuar como mandante, na competição, observado o inciso IX do art. 6º deste RGC;

 Estatuto de Defesa do Torcedor Art. 13 – O torcedor tem direito a segurança nos locais onde são realizados os eventos esportivos antes, durante e após a realização das partidas. Parágrafo único. Será assegurada acessibilidade ao torcedor portador de deficiência ou com mobilidade reduzida.

 Art. 23 – A entidade responsável pela organização da competição apresentará ao Ministério Público dos Estados e do Distrito Federal, previamente à sua realização, os laudos técnicos expedidos pelos órgãos e autoridades competentes pela vistoria das condições de segurança dos estádios a serem utilizados na competição.

(Regulamento) § 1o – Os laudos atestarão a real capacidade de público dos estádios, bem como suas condições de segurança. § 2o – Perderá o mando de jogo por, no mínimo, seis meses, sem prejuízo das demais sanções cabíveis, a entidade de prática desportiva detentora do mando do jogo em que: I – tenha sido colocado à venda número de ingressos maior do que a capacidade de público do estádio; ou, II – tenham entrado pessoas em número maior do que a capacidade de público do estádio; III – tenham sido disponibilizados portões de acesso ao estádio em número inferior ao recomendado pela autoridade pública. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

 Art. 13 – O torcedor tem direito a segurança nos locais onde são realizados os eventos esportivos antes, durante e após a realização das partidas. Parágrafo único. Será assegurada acessibilidade ao torcedor portador de deficiência ou com mobilidade reduzida.

O Cordino deu entrada de um pedido de Liminar no TJD para que à Justiça Desportiva libere e determine à FMF, marcar o jogo para o Leandrão em Barra do Corda, o presidente do Tribunal Roberto Feitosa vai decidir monocraticamente, se concede ou não, na próxima semana.

O presidente da Federação Maranhense, Antônio Américo, apresentou esta semana, uma série de argumentos – justificando a mudança do jogo da final entre Cordino x Sampaio para a cidade de Imperatriz. Entre as quais, os Laudos Técnicos enviados a entidade não condizem com a realidade sobre arquibancadas móveis, a serem instaladas no Leandrão, segundo à FMF as fotos seriam de uma vaquejada no Piauí, e os prazos para o cumprimento das exigências estavam exauridos.

Américo disse que a questão é Legislação/Segurança, e à FMF conversou com antecedência (mais de 40 dias) com os dirigentes do Cordino e o prefeito de Barra do Corda, por mais de 10 vezes, inclusive, numa reunião entre o prefeito Eric Costa e ele, Américo, na sede da Federação Maranhense – o gestor havia garantido que as adequações para a ampliação da capacidade de público, aconteceria de imediato, o que não foi verificado. Entretanto, Antônio Américo enfatizou que a decisão do TJD sobre o local do jogo será cumprida pela FMF, e a entidade não vai recorrer.

O ponto de vista, de que a FMF deveria ter constado no regulamento do Estadual 2017, e não somente, através de uma portaria, gostaria de ratificar, pois com certeza num momento como esses, estaria até mais respaldada. Por conseguinte, entendo que quando se trata de Segurança, o pior seria a omissão. E numa escala de “culpabilidade”, à diretoria do Cordino ‘dormiu no ponto’ também, além da Prefeitura de Barra do Corda, demonstrar que o esporte não é prioridade!

Já o presidente do Sampaio Corrêa, Sérgio Frota, em conversa com o titular do Blog, afirmou que o Cordino é uma realidade no futebol maranhense, time bem montado – e por isso, está na decisão do Maranhense, mas também nas competições nacionais com mérito. Porém, faltou ação da Prefeitura de Barra do Corda, e dos dirigentes para sanar os problemas do estádio, até porque seria bem melhor para o futebol uma decisão com a torcida do mandante, entretanto, com segurança e responsabilidade.

– Eu entendo que o Cordino hoje é uma realidade no futebol maranhense, à torcida merece ver a sua equipe jogando em casa sim, mas aqui não podemos fechar os olhos para a segurança do torcedor e o conforto que é exigido pelas normas gerais da CBF, e também o Estatuto do Torcedor. Uma pena que não conseguiram dar ao povo/torcedor de Barra do Corda um estádio à altura, eu mesmo conversei várias vezes com o prefeito Eric Costa para melhorar a situação do estádio (arquibancadas, cabines, vestiários, gramado etc.); não existe o torcedor ficar em pé dentro do estádio, isso não é campeonato amador, e infelizmente nada foi feito, disse Sérgio Frota.

Frota afirmou categoricamente que a sua maior preocupação não é em relação ao local, pois o Tricolor tem time e está preparado para enfrentar a boa equipe do Cordino em qualquer local, no entanto , a preocupação é a Segurança pelas deficiências da Praça Esportiva de Barra do Corda. Mas também afirmou ao titular do Blog que a decisão do TJD será acatada, e o clube não vai recorrer.

– A minha preocupação é com a Segurança da torcida, dos jogadores, árbitros, dirigentes, da imprensa, enfim de todos! Mas quero dizer que a responsabilidade é do Tribunal de Justiça Desportiva, o que o órgão decidir, nós acataremos e tem mais: o Sampaio Corrêa não vai recorrer de nenhuma decisão, espero que tenham certeza daquilo que estão fazendo, acrescentou.

Os dirigentes do Cordino e o prefeito de Barra do Corda, Eric Costa, garantem que as arquibancadas móveis estarão prontas na segunda-feira(19), e que o estádio Leandrão preencherá todos os requisitos para a realização da finalíssima do Maranhense 2017.

Só nos resta esperar o que vão decidir…

 

2 ideias sobre “TJD vai decidir onde será a final do Campeonato Maranhense de 2017”

  1. Voce esta muito mal informado, primeiro o campo não esta como essa foto que tu colocaste de 2010, se atualiza com fotos e informações referente as melhorias que o estadio ja teve.

    1. Meu caro, a foto é de divulgação, e não portanto, atual, o texto não fala isso. Agora vc poderia mandar as fotos atuais que mostrem que as exigências contidas na legislação foram atendidas, QUE PUBLICAREI. Entendo que a cidade,à torcida e o time do Cordino merecem que a final seja em Barra do Corda. Só que a Prefeitura deveria ter melhorado a situação da Praça Esportiva, que conheço bem. O prazo será postergado agora, e com o adiamento, vamos esperar que algumas questões possam ser resolvidas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *